Pages

Subscribe:

About

quinta-feira, 23 de março de 2017

Subtenente da reserva dos Bombeiros é morto e tem filha sequestrada por ex-genro

A vítima tentou intervir uma discussão entre o suspeito e a filha, mas foi baleado
Foi morto na tarde desta quarta-feira (22), o subtenente da reserva do Corpo dos Bombeiros Francisco Luciano Ferreira Gadelha, no bairro Jereissati, em Maracanaú, Região Metropolitana de Fortaleza. A vítima tentou intervir uma discussão entre a filha e o ex-namorado, identificado como Jangledson de Oliveira, mas foi baleado. 
No momento da discussão, o militar chegou em uma motocicleta e se envolveu na briga, mas foi rendido por Jangledson, que disparou contra Luciano. De acordo com a capitã Juliane Freire, Relações Públicas da corporação, o militar ainda foi socorrido, mas chegou sem vida ao hospital de Maracanaú.
A Perícia Forense recolheu cápsulas que foram deflagradas na calçada da residência.
A Polícia Militar foi acionada e realiza buscas na região, mas até o momento, o suspeito não foi encontrado.
O acusado 
Jangledson de Oliveira é fugitivo do Centro de Detenção Provisória do Potengi, em Natal. A fuga aconteceu no dia 17 de janeiro do ano passado, após o acusado e comparsas atirarem em um PM e em um agente penitenciário.
Image-1-Artigo-2218269-1Ele é acusado de crimes de roubos, latrocínio, homicídios e formação de quadrilha. Sua área de atuação é nos municípios de Aquiraz e Eusébio, Região Metropolitana de Fortaleza.
Sequestro da filha do militar 
De acordo com informações do titular da Delegacia Metropolitana de Maracanaú, Vicente Alencar, Jangledson era pai de duas crianças da filha do bombeiro militar, identificada como Vanessa Oliveira Gadelha.
No ano passado o criminoso conseguiu levar um dos filhos para o Rio Grande do Norte, e havia retornado nesta quarta-feira para levar o segundo filho.
Como houve resistência, três homens chegaram à residência no Jereissati III e sequestraram a mãe das crianças. O bombeiro militar teria tentado impedir a ação criminosa e foi atingido a bala.
Por CNews e DN

0 comentários:

Postar um comentário