Pages

Subscribe:

About

sábado, 4 de março de 2017

Corrupção – Eleito reclama de quem elegeu

Discussão sobre a crise política na Assembleia Legislativa, na manhã de ontem, enveredou por caminho curioso. O deputado Ely Aguiar (PSDC) comentou que o eleitor também tem culpa pelos escândalos. Chamou atenção para a má qualidade dos políticos que o povo elege. “Tem que procurar qualificar melhor aquelas pessoas que vão lhe representar”, cobrou Aguiar, em seu terceiro mandato na Assembleia.
Alguns colegas dele reforçaram. “O eleitorado brasileiro é mais corrupto, tornou-se delinquente”, disse Fernando Hugo (PP), cujo partido tem o maior número de políticos investigados na Lava Jato. “O povo precisa escolher melhor na hora de votar”, reforçou Roberto Mesquita (PSD), que foi vereador e está no segundo mandato de deputado.
Que o eleitor tem culpa por aqueles que elege é óbvio. Porém, há de se dar o desconto de que também não existe uma infinidade de excelentes opções dentre as quais o eleitor pode fazer sua escolha. Sobram dedos na mão para computar os partidos que não foram apanhados na Lava Jato. Vota-se entre aqueles que estão disponíveis.
Além disso, por mais justa que seja a crítica, admira-me que os eleitos por esse voto reclamem de quem votou errado. Se o sujeito vota em alguém esperando determinada postura e o político se revela corrupto, o eleitor é a primeira vítima. Podia ser mais criterioso? Podia, claro. Deveria, aliás. Porém, não vamos confundir as coisas. Se o governante é corrupto, a culpa é do criminoso. Não pode ser terceirizada ao eleitor desavisado.
Já no caso de sabidamente corruptos reincidentes e recorrentemente reeleitos, aí realmente não dá para perdoar o eleitor. Se não se atina nem quando a crítica vem até de quem é votado, aí está mesmo na casa do sem jeito.
Da Coluna Política, no O POVO deste sábado (4), pelo jornalista Érico Firmo

0 comentários:

Postar um comentário