Pages

Subscribe:

About

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Morre no Rio, aos 63 anos, o jornalista Jorge Bastos Moreno

Um dos mais respeitados repórteres políticos do Brasil, Moreno nasceu em Cuiabá e viveu em Brasília desde a década de 1970. Há 10 anos morava no Rio.
Moreno tinha mais de 40 anos de carreira. Trabalhou no jornal O Globo por cerca de 35 anos, onde chegou a dirigir a sucursal de Brasília.
Furos de reportagens
Seu primeiro grande furo de reportagem foi no “Jornal de Brasília”: a nomeação do general João Figueiredo como sucessor do general Ernesto Geisel.
Durante o impeachment do presidente Fernando Collor, em 1992, quando a própria CPI do PC procurava uma prova cabal que ligasse o presidente aos cheques de “fantasmas” que vinham do esquema PC, foi Moreno que revelou que um Fiat Elba de propriedade do presidente tinha sido comprado pelo “fantasma” José Carlos Bonfim. Uma informação que ainda não era do conhecimento nem do relator da CPI, deputado Benito Gama, nem de seu presidente Amir Lando. A manchete do Globo selava o destino do presidente.
Prêmio Esso
Moreno venceu o Prêmio Esso de Informação Econômica de 1999 com a notícia da queda do então presidente do Banco Central Gustavo Franco e a consequente desvalorização do real.
No fim da década de 1990, estreou sua coluna de sábado. Publicada até o último sábado (10), passou há alguns anos a levar o nome do próprio Moreno.
Desde 10 de março, comandava o talk show "Moreno no Rádio", na CBN, às sextas-feiras à tarde. Era também o âncora do programa "Preto no Branco", do Canal Brasil. E mantinha aparições frequentes na GloboNews.
Também em março, lançou o livro “Ascensão e queda de Dilma Rousseff”. É autor de "A história de Mora - a saga de Ulysses Guimarães", lançado em 2013.

0 comentários:

Postar um comentário